Modernismo português - Interpretação de poema (Estátua falsa - Mário de Sá-Carneiro)



Mário de Sá-Carneiro: uma alma estraçalhada 

Se destaca no Modernismo português Mário de Sá-Carneiro, um escritor muito original e instigante. Quase tudo que escreveu trata dos conflitos psicológicos relacionados a uma profunda crise de identidade. Esse interesse pela autoanálise o aproxima de certo modo de Fernando Pessoa, especialmente do heterônimo Alvaro de Campos, tantas vezes atormentado por angústias existenciais. No entanto, contrariamente à poesia de Alvaro de Campos, que vez ou outra manifesta entusiasmo pela vida, a de Sá-Carneiro jamais vislumbra possibilidades de abrandamento do sofrimento que lhe estraçalha a vida. Observe isso, lendo o texto que segue. 


Estátua falsa 

Só de oiro falso os meus olhos se douram; 
Sou esfinge sem mistério no poente. 
A tristeza das coisas que não foram 
Na minh'alma desceu veladamente. [...] 

Já não estremeço em face do segredo; 
Nada me aloira já, nada me aterra: 
A vida corre sobre mim em guerra, 
E nem sequer um arrepio de medo! 

Sou estrela ébria que perdeu os céus, 
Sereia louca que deixou o mar; 
Sou templo prestes a ruir sem deus, 
Estátua falsa ainda erguida ao ar... 

Mário de Sá-Carneiro. 
Poesias completas. Porto: Orfeu, p. 24. 



1. Por que se pode afirmar que, já no primeiro verso do poema, o eu lírico anuncia seu pessimismo em relação à vida? 

2. Qual ideia prevalece na segunda estrofe? 

3. Identifique qual destas afirmações expressa a ideia sugerida em todos os versos do poema. Transcreva-a. 

a) inadequação entre o ser e a situação em que no presente está inserido.
b) rebeldia contra a rotina.
c) descompasso entre a realidade e o sonho. 



Gabarito:

1. O primeiro verso do poema já anuncia o pessimismo do eu lírico em relação à vida, pois nele se afirma que até mesmo o que poderia ser belo, agradável, é uma ilusão, é falsidade.

2. O estado de espírito do eu lírico é de desesperança e aceitação, como se observa em: "Nada me aloira já, nada me aterra:".

3. Inadequação entre o ser e a situação em que seu presente está inserido.





Referência: Linguagem em Movimento  (Editora FTD)
Imagem: Google
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...