Curso online e gratuito para professores de português

Voltado a professores de língua portuguesa de escolas públicas de todo país, o curso Leitura vai, escrita vem: práticas em sala de aula está com inscrições abertas. Educadores de outras disciplinas interessados em trabalhar a leitura em sala de aula também podem se candidatar. As aulas vão de 18 de setembro a 13 de outubro.

O curso é totalmente gratuito e oferece duas mil vagas na modalidade on-line, com foco nos ensinos fundamental e médio. A iniciativa é parte da Olimpíada de Língua Portuguesa - Escrevendo o Futuro, promovida pela Fundação Itaú em parceria com o MEC. Os participantes receberão certificado.

Entre os objetivos do curso, destacam-se oferecer reflexões teóricas e sugestões práticas para os professores que queiram aprimorar dinâmicas de sala de aula para o ensino de leitura na escola; promover a autonomia e a desenvoltura do professor para criar e adaptar suas aulas, levando em conta os conhecimentos prévios de seus alunos; e aguçar a percepção para diferentes maneiras de ler um texto. Serão estudados modos de trabalhar com o texto em sala, efeitos de sentido de recursos expressivos e a variação nos gêneros do discurso.

As inscrições podem ser feitas aqui.

Exercício de interpretação com questão do Enem (internet - paradoxo)

Imagem: Google

Não estou mais pensando como costumava pensar. Percebo isso de modo mais acentuado quando estou lendo. Mergulhar num livro, ou num longo artigo, costumava ser fácil. Isso raramente ocorre atualmente. Agora minha atenção começa a divagar depois de duas ou três páginas. Creio que sei o que está acontecendo. Por mais de uma década venho passando mais tempo On-line, procurando e surfando e algumas vezes acrescentando informação à grande biblioteca da internet. A internet tem sido uma dádiva para um escritor como eu. Pesquisas que antes exigiam dias de procura em jornais ou na biblioteca agora podem ser feitas em minutos. Como disse o teórico da comunicação Marshall McLuhan nos anos 60, a mídia não é apenas um canal passivo para o tráfego de informação. Ela fornece a matéria, mas também molda o processo de pensamento. E o que a net parece fazer é pulverizar minha capacidade de concentração e contemplação.

CARR, N. Is Google making us stupid? Disponível em: www.theatlantic.com. Acesso em: 17 fev. 2013 (adaptado).

Em relação à internet, a perspectiva defendida pelo autor ressalta um paradoxo que se caracteriza por

a) associar uma experiência superficial à abundância de informações.
b) condicionar uma capacidade individual à desorganização da rede.
c) agregar uma tendência contemporânea à aceleração do tempo.
d) aproximar uma mídia inovadora à passividade da recepção.
e) equiparar uma ferramenta digital à tecnologia analógica.

Comentário da questão

Zero graus ou zero grau? - Erro comum em português

Imagem: Google

Zero graus ou zero grau?

Não é incomum ouvir a construção “está fazendo zero graus”, não é mesmo? Temos aí um problema de concordância. Zero está no singular, portanto, o substantivo grau deve acompanhá-lo na flexão: está fazendo zero grau. 

Temas possíveis para redação do Enem 2017

Imagem: Google

A Educação no Brasil
Por que falamos tanto sobre educação? Além da razão mais evidente, que é a de que sempre precisaremos refletir sobre educação em um país que almeja seu crescimento social, cultural e econômico, temos ainda outro motivo para os vestibulandos de plantão. Dá uma olhada nos temas anteriores do ENEM e vê se você não concorda com a gente: está pra cair um tema sobre educação, né? Um detalhe importante sobre esse assunto é que, se estiver lá na prova de Redação do ENEM de 2017, ele será apresentado como uma problemática, ou seja, ele vai constatar algo a ser repensado pela comunidade de estudantes. Um bom tema, nesse sentido, poderia ser: os caminhos para se conquistar uma educação de qualidade para todos os brasileiros.

Trabalho X Trabalhador
A prova de Redação do ENEM já repetiu temas ou assuntos. O trabalho (escravo e infantil) já apareceu nas provas de redação, e com as reviravoltas das reformas trabalhistas ele pode voltar. Com que cara? Quem sabe nos fazendo pensar sobre os direitos do(a) trabalhador(a), o trabalho no século XXI, a população idosa e o mercado de trabalho, a busca pelo (primeiro) emprego e etc. Um dica valiosa para um tema que trate desse assunto: interdisciplinaridade. Lembre-se de que você tem à disposição a História – com suas manifestações de trabalhadores ao longo dos anos; a Literatura – com narrativas que revelam as nuances entre empregados e empregadores; a Filosofia – com a noção de trabalho que joga com valor econômico e simbólico; e assim por diante. Não se prenda às relações mais óbvias, extrapole os textos de apoio.

Homofobia no Brasil
A discussão é de longa data. Não era pra menos. O ENEM prova que está sempre interessado em uma educação que também pensa a diversidade nos mais diversos campos. Quem sabe chegou a hora de tocarmos nesse assunto em uma prova? É preciso estar preparado e, sobretudo, lembrar que o papo na redação deve respeitar todo e qualquer indivíduo.

Projeto para estimular o bom comportamento entre os alunos (Moeda do bem)

Imagem: Google

No Espírito Santo, uma escola encontrou um jeito inusitado de estimular o bom comportamento entre os alunos e diminuir as advertências, suspensões e reclamações aos pais. Chamado de MIM: a moeda do bem, o projeto começou em 2016 e bonifica estudantes que mantêm a disciplina e o interesse nas aulas com o acúmulo de moedas imaginárias, que, posteriormente, podem ser tocadas por brindes. O nome da moeda corresponde às iniciais da Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria Istela Modenesi, em Vitória. 

Idealizadora do projeto, a professora Priscilla Junqueira afirma que, antes do MIM, a coordenação tentava contornar a indisciplina em sala de aula por métodos tradicionais, porém, com pouco sucesso. “Conversas, convocação de pais, relatórios, anotações de ocorrências, suspensão. Nada disso estava dando muito resultado”, conta. Segundo Priscilla, a atitude dos estudantes refletia questões relacionadas à autoestima e às condições sociais em que vivem – a escola é situada na periferia de Vitória, em região considerada de extrema vulnerabilidade social.

“Comecei a fazer entrevistas, conversar com cada um dos alunos, e todos mostravam uma frustração muito grande por não ter acesso a itens de consumo, por exemplo, bala, biscoito, coisas que outras crianças e jovens têm e eles não têm”, explica Priscilla. Assim, pensou em um sistema de pontuação: cada estudante recebe um MIM pelo desempenho pedagógico e outro pelo comportamento e pode acumular as moedas cumprindo desafios orientados pelos professores.

Texto argumentativo 9º ano - Consumo sustentável (reconhecer argumentos em um texto)

Imagem: Google

Consumo Sustentável 

[...] O Consumo Sustentável envolve a escolha de produtos que utilizaram menos recursos naturais em sua produção, que garantiram o emprego decente aos que os produziram, e que serão facilmente reaproveitados ou reciclados. Significa comprar aquilo que é realmente necessário, estendendo a vida útil dos produtos tanto quanto possível. Consumimos de maneira sustentável quando nossas escolhas de compra são conscientes, responsáveis, com a compreensão de que terão consequências ambientais e sociais - positivas ou negativas. 
Mudança de comportamento é algo que leva tempo e amadurecimento do ser humano, mas é acelerada quando toda a sociedade adota novos valores. O termo "sociedade de consumo" foi cunhado para denominar a sociedade global baseada no valor do "ter". No entanto, o que observamos agora são os valores de sustentabilidade e justiça social fazendo parte da consciência coletiva, no mundo e também no Brasil. Este novo olhar sobre o que deve ser buscado por cada um promove a mudança de comportamento, o abandono de práticas nocivas de alto consumo e desperdício e adoção de práticas conscientes de consumo. 
Consumo consciente, consumo verde, consumo responsável são nuances do Consumo Sustentável, cada um focando uma dimensão do consumo. O consumo consciente é o conceito mais amplo e simples de aplicar no dia a dia: basta estar atento à forma como consumimos - diminuindo o desperdício de água e energia, por exemplo - e às nossas escolhas de compra - privilegiando produtos e empresas responsáveis. A partir do consumo consciente, a sociedade envia um recado ao setor produtivo de que quer que lhe sejam ofertados produtos e serviços que tragam impactos positivos ou reduzam significativamente os impactos negativos no acumulado do consumo de todos os cidadãos. [...]. 

Disponível em :<http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo- sustentavel/conceitos/consumo-sustentavel>. (adptado)

Estilos de época da literatura portuguesa e brasileira (períodos literários)


Como se sabe, nosso país foi colônia de Portugal, de quem herdamos a língua e, com ela, toda uma maneira de expressar o mundo. Costuma-se comparar as manifestações literárias brasileiras com as portuguesas, em cada período literário, não só para destacar semelhanças como também para identificar o momento em que nossa literatura adquiriu autonomia, desprendendo-se dos modelos portugueses. 

Chamamos de período literário um segmento determinado de tempo em que predominou um estilo na literatura. Cada um desses períodos recebeu um nome cujo significado. Por exemplo: Barroco, Arcadismo, Romantismo, etc. são estilos de época da história de várias literaturas, incluindo a brasileira. 

Descrever um período literário ou estilo de época é identificar o início, o ponto culminante e o declínio de um estilo, isto é, o momento em que passam a surgir novas tendências. 

Por exemplo: o período literário ou estilo de época chamado de Romantismo predominou no Brasil de 1836 a 1881. É imprescindível saber que as datas que delimitam um estilo devem ser consideradas apenas pontos de referência na história literária, ou seja, elas não demarcam rigorosamente o estilo. 

Interpretação 9ºano - Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial (A mala de Hana - Uma história real)

Imagem: Google

Este texto pertence ao livro A mala de Hana, de Karen Levine. A obra narra a história dos irmãos Hana e George Brady, crianças judias que viviam na Tchecoslováquia (atual República Checa), durante a Segunda Guerra Mundial. Quando as tropas alemãs invadiram o país, a vida da família Brady mudou para sempre.

A mala de Hana
Toda semana havia uma nova restrição. Judeus não podiam frequentar o parque de diversões. Nem os campos de esporte. Nem os parques públicos. Logo, Hana não podia mais ir ao ginásio. Até mesmo o lago em que esquiavam estava proibido. Suas amigas - todas gentis - no começo também ficaram tão perplexas quanto Hana com as regras. Ainda se sentavam lado a lado na escola e aprontavam travessuras juntas dentro da classe e na hora do recreio. 
— Ficaremos juntas para sempre, não importa o que aconteça — prometeu Maria, a melhor amiga de Hana. — Não vamos deixar que ninguém nos diga com quem vamos brincar! 
Mas, aos poucos, conforme os meses se passavam, todas as colegas de Hana, inclusive Maria, pararam de visitá -la depois da escola e nos fins de semana. [...] 
Com cada amigo perdido e a cada nova restrição, Hana e George sentiam que seu mundo ficava um pouco menor. Eles estavam bravos. Eles estavam tristes. E estavam frustrados. 
— O que podemos fazer? — perguntavam aos pais. — Para onde podemos ir? 
Mamãe e Papai fizeram o seu melhor para distrair as crianças, para ajudá-las a descobrir novas brincadeiras.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...